“Neste momento já é possível realizar uma avaliação eletrónica. E esse é o futuro”, revelou à agência Lusa o presidente do Conselho Diretivo do IAVE, Hélder de Sousa, à margem da conferência “Avaliar para aprender: Contributos para uma cultura de avaliação” que está a decorrer em Lisboa.








“As escolas estão preparadas para fazer estas provas”, garantiu Hélder de Sousa, explicando que ao contrário do que acontece com os exames em papel, que têm de se realizar todos em simultâneo, em computador, “poderemos ter alunos a fazer a prova às 09:00, depois um outro grupo às 11:00 e outro à tarde, por exemplo”.



Novas medidas educativas para melhorar resultados dos alunos


“Os resultados (dos estudantes portugueses em exames internacionais) não estão a melhorar e alguém vai ter de decidir o que fazer. Estamos desde 2010 a olhar para a Finlândia que está em declínio há seis anos”, afirmou Hélder de Sousa.