O presidente da Associação Nacional de Professores disse esta terça-feira concordar com o projecto do PSD que recomenda ao Governo que estabeleça um novo modelo de avaliação e acabe com a divisão da carreira docente em 30 dias.

Em declarações aos jornalistas, no Parlamento, depois de uma reunião com o PSD, João Grancho acrescentou, no entanto, que a Associação Nacional de Professores espera que do projecto social-democrata «não decorra a adopção de um novo modelo à pressa».

«O que nós dissemos ao PSD é que concordamos com esta iniciativa, por a considerarmos ponderada e equilibrada, e que a preocupação essencial traduz-se também com outras questões de fundo, nomeadamente que daqui não decorra a adopção de um novo modelo à pressa», declarou o presidente da Associação Nacional de Professores.

«Isto é, não vamos resolver a questão nos próximos 30 dias porque é preciso encontrar um modelo alternativo», acrescentou, defendendo que deve haver um período de «experimentação de qualquer outro modelo que venha a surgir, para que haja a apropriação e validação do modelo».

Segundo João Grancho, «falta muita coisa antes deste modelo, desde logo, padrões de referência da própria profissão docente, que não existem».

O presidente da Associação Nacional de Professores observou ainda que o projecto de resolução do PSD «ganhou alguma relevância política» e sublinhou que recomenda ao Governo que não haja professores penalizados pela aplicação do actual modelo de avaliação.