O ministro da Educação alertou para a urgência de uma ação concertada com os jovens para que sejam alcançados os objetivos de desenvolvimento sustentável definidos pelas Nações Unidas, tendo como horizonte a Agenda20/30.

Tiago Brandão Rodrigues falava na sessão de abertura da Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude 2019 e Fórum da Juventude, Lisboa+21, que decorre em Lisboa até domingo.

Esta conferência acontece 21 anos depois de Portugal ter organizado a I Conferência Mundial de Ministros da Juventude que levou à assinatura da chamada “declaração de Lisboa” que agora deverá ser atualizada.

Estes desafios que enfrentamos parecem e são enormes. O desafio de promover o acesso dos jovens a trabalho digno; o desafio de superar a discriminação de que são vítimas. O desafio de os incluir política, social e economicamente. O desafio de diminuir a pobreza que afeta os jovens. O desafio de lhes garantir um acesso à saúde e à educação em plena igualdade com os seus concidadãos", disse o ministro adiantando que por estes desafios serem enormes "é ainda mais urgente a resposta".

Tiago Brandão Rodrigues explicou que estes desafios ampliam-se ao ritmo das mudanças demográficas, nomeadamente com as migrações e a divisão entre urbano e rural e ficam ainda mais complexos cada momento em que cresce a degradação ambiental e acelera a poluição.

Se fazemos este lugar para os nossos concidadãos, jamais o poderemos fazer sem eles. Eles não são consumidores de políticas. São agentes e, até, artífices de qualquer política que nos caiba aplicar”, disse o ministro português da Educação que também tutela a área da juventude.

A conferência mundial que hoje começa, adiantou, “demonstra bem o empenhamento de Portugal na vanguarda das políticas que têm como destinatários, e principais parceiros, os jovens, trabalhando agora para dar um novo impulso ao muito que iniciámos há duas décadas”.

Estou certo de que seremos capazes de aqui acordarmos um renovado compromisso – a Declaração Lisboa+21 - dirigido e participado pela Juventude em torno de políticas inovadoras e efetivas”, defendeu Tiago Brandão Rodrigues adiantando que só assim será dada uma resposta capaz ao desafio lançado pelo Secretário Geral das Nações Unidas quando lançou a nova estratégia “Juventude Vinte Trinta” das Nações Unidas, destinada a envolver e a empoderar a Juventude.

Cerca de 100 delegações de responsáveis pela área da juventude de todo o mundo reúnem-se entre hoje e domingo em Lisboa numa conferência que abordará o papel da juventude na concretização dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

Em debate estarão temas emergentes da juventude, entre os quais o desenvolvimento sustentável e a crise climática e Portugal apresentou como condição que todas as comitivas fossem compostas por, pelo menos, um jovem.

Decisores políticos e representantes dos jovens estarão lado a lado, de forma inédita, a definir o futuro das próximas gerações.

A União Europeia, a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o espaço ibero-americano estarão significativamente presentes em Lisboa, à semelhança de vários outros Estados – do Cazaquistão à República Dominicana, dos Estados Unidos ao Sudão do Sul, do Butão a Santa Lúcia.

Em 1998, o Governo Português, em cooperação com os parceiros do Sistema das Nações Unidas, organizou a Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude, que se tornou um marco no trabalho em torno das políticas de Juventude.

Na Declaração final, ministros e demais líderes mundiais presentes, comprometeram-se a trabalhar com a Juventude num conjunto de políticas e programas que fossem ao encontro das preocupações dos jovens e melhorassem as suas vidas.

Estes compromissos cobriam as áreas prioritárias do setor, tal como definido no Programa Mundial de Ação para a Juventude, adotado em 1995 pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

Agora, os Estados são chamados a intensificar os seus compromissos para integrar a perspetiva da Juventude na implementação da Agenda 2030 e da Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude 2019 e do Fórum da Juventude “Lisboa+21” resultará uma Declaração renovada.

Marcelo quer reflexão sobre o que está errado no sistema político que afasta jovens 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pediu uma reflexão aos responsáveis políticos sobre o que está errado no sistema, uma vez que os jovens não se sentem motivados, empenhados e não têm "um sentimento de pertença".

Na sessão de abertura da Conferência Marcelo Rebelo de Sousa elencou aqueles que para si são os seis principais desafios da juventude de hoje, sendo um deles o facto de os sistemas políticos estarem fechados à participação dos jovens.

Não há dúvida que os jovens participam muito online, através dos novos meios de comunicação, através da internet, mas não participam tanto offline, ou seja, pelos meios de participação clássica", explicou depois, em declarações aos jornalistas.

Na perspetiva do chefe de Estado, "há aqui um problema que é universal" e, por isso, "é bom que seja debatido".

Presidente do Conselho Nacional da Juventude pede conferências mundiais mais frequentes

O presidente do Conselho Nacional da Juventude, Hugo Carvalho, desafiou hoje os decisores políticos a realizar com periodicidade uma conferência mundial com jovens para construir um desenvolvimento sustentável.

Este esforço não vale a pena se acabar amanhã. Só vale a pena se um de vocês puder acolher esta conferência de novo. Não há forma de atingir a agenda do desenvolvimento sustentável sem os jovens, então esta deve passar a ser uma conferência ordinária das Nações Unidas”, defendeu.