Entre 20 mil e 30 mil alunos continuam sem algumas aulas por falta de professores, estimou esta quinta-feira a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) com base nos horários ainda a concurso que ascendiam às 4.200 horas na terça-feira.

Segundo um balanço feito esta quinta-feira pela Fenprof em conferência de imprensa, desde o início do ano letivo estiveram a concurso na contratação de escola 6.739 horários que, entre horários completos, incompletos, anuais e temporários, totalizam cerca de 81 mil horas.

O número de horários por preencher neste regime, a que as escolas recorrem quando não conseguem ocupar todos os lugares através das reservas de recrutamento, estabilizou nas últimas semanas, mas na terça-feira encontravam-se ainda a concurso 394 horários, o correspondente a 4.200 horas.

Segundo Vítor Godinho da Fenprof, que reuniu os dados, estes números traduzem-se em cerca de 960 turmas, entre 20 a 30 mil alunos, que não têm ainda todos os professores e, por isso, continuam sem aulas a algumas disciplinas.

Lisboa tem 43% dos horários não preenchidos

Olhando para a contratação de escola, a carência de professores tem-se mantido relativamente estável ao longo das últimas seis semanas, depois de ter atingido um pico entre 20 e 24 de setembro.

A situação é mais grave no distrito de Lisboa, onde desde 15 de setembro estiveram a concurso na contratação de escola 2.993 horários, 43% do total.

Seguem-se os distritos de Setúbal (1.321 horários, o equivalente a 18% do total), Faro (566 horários, 10,5%), Porto (286 horários, 4%), Santarém (251 horários, 4%) e Beja (204 horários, 3,5%).

Faltam mais professores em Informática e Física e Química

Por grupos de recrutamento, Informática é o caso mais problemático, com 831 horários na contratação de escola desde o início do ano letivo, seguindo-se Física e Química (573), Português (539), Inglês (472) e Matemática (447).  

Durante a apresentação dos dados, Vítor Godinho deu exemplos concretos de escolas onde faltam professores, referindo a Escola Básica e Secundária Josefa de Óbidos, onde há 18 turmas sem Informática, a Escola Básica 2, 3 D. Sancho I, no Cartaxo, com sete turmas sem Espanhol ou a Escola Secundária de Bocage, em Setúbal, com seis turmas sem professor de Matemática e/ou Física e Química.

O problema da falta de professores foi reconhecido na quarta-feira pelo Ministério da Educação, depois da apresentação de um estudo da da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, divulgado hoje, que estima que dos 120 mil docentes em funções no ano letivo 2018/2019 deverão aposentar-se 39% até 2030/2031. 

Para tentar resolver os horários por preencher, a tutela criou uma task-force constituída por elementos da Direção-Geral de Estabelecimentos de Ensino e da Direção-Geral da Administração Escolar, que vão colaborar diretamente com as escolas para avaliar as situações de carência em concreto.

A medida foi considerada pela Fenprof como um movimento de "ilusionismo", justificando que os diretores escolares têm competência para resolver a falta de professores, mas já esgotaram todas as possibilidades. 

/ PF