Um veleiro com dois tripulantes que estava à deriva cerca de 55 quilómetros do Cabo da Roca, devido a danos na hélice e leme após uma interação com orcas, foi hoje de madrugada auxiliado pela Estação Salva-vidas de Cascais.

Elementos da Estação Salva-vidas de Cascais auxiliaram durante a madrugada de hoje dois tripulantes de um veleiro que se encontrava à deriva, devido a danos na hélice e leme após uma interação com orcas, a cerca de 30 milhas (aproximadamente 55 quilómetros) do Cabo da Roca, em Sintra, numa ação coordenada pelo Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa (MRCC Lisboa) em articulação com o Capitão do Porto de Cascais”, refere a Autoridade Marítima Nacional em comunicado.

Na sequência do alerta recebido pelas 02h14, através do Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa (MRCC Lisboa), foi “ativada de imediato” a embarcação “Rainha D. Amélia” da Estação Salva-vidas de Cascais.

À chegada junto do veleiro, os elementos da Estação Salva-vidas constataram que as duas pessoas, de 48 e 49 anos de nacionalidade brasileira, se “encontravam bem fisicamente” e “sem necessidade de assistência médica”.

A seguir procederam ao reboque do veleiro até à marina de Cascais, atendendo a questões de segurança para a navegação.

Tanto a Autoridade Marítima Nacional como o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) recomendam a todos os navegantes que “em caso de avistamento destes mamíferos, seja desligado o motor”, para impedir a rotação da hélice, e que seja imobilizada a porta do leme, para desincentivar as orcas a interagir com as estruturas móveis das embarcações, lê-se na nota divulgada.

Agência Lusa / JGR