O Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar acusa a gestão de meios do INEM de ter parado várias ambulâncias no país por causa do Rali de Portugal, podendo esta medida atrasar o socorro à população.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do sindicato, Rui Lázaro, recorda que o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) mobilizou mais de 100 operacionais para os três dias do rali, que termina no domingo, deixando ambulâncias paradas por falta de meios, sublinhando que, a nível nacional, “são mais de 200 horas de ambulâncias paradas”.

É uma questão de opções. A ambulância mais próxima do especial do rali que se desenrola no Porto está fechada, por falta de operacionais, e o INEM tem no local um dispositivo só para o evento desportivo e só para o que possa acontecer no evento. Para as pessoas daquela zona, que já têm o trânsito condicionado, como a única ambulância que está lá está parada, todas as emergências que houver naquela zona vão ter de ser socorridas por ambulâncias de mais longe, mais demoradas [a chegar]. É claro que o socorro vai estar atrasado”, explicou.

Rui Lázaro refere que de cada vez que há um evento como este o INEM tem um dispositivo especial destacado, mas, considerou, "o que não pode acontecer é o INEM demonstrar capacidade para ter operacionais disponíveis para este evento subtraindo operacionais às ambulâncias normais de serviço, porque são os cidadãos que estão a ser prejudicados”.

Disse ainda que as denúncias que o sindicato recebeu indicam que o dispositivo foi montado com operacionais de todo o país e que, “tanto em Lisboa, como no Porto, ou em Viseu, estão hoje ambulâncias paradas por falta de operacionais”.

O Sindicato Nacional dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) considera que esta situação “é mais uma evidência da incapacidade de gestão deste conselho diretivo” e sublinha que vai fazer uma exposição ao Governo e aos partidos com assento parlamentar.

A Lusa questionou o INEM sobre a situação, mas até ao momento não recebeu resposta.

. / CM