Os técnicos de emergência pré-hospitalar do INEM vão poder realizar eletrocardiogramas na rua e administrar fármacos, sob orientação médica à distância, em casos de suspeita de enfarte, no âmbito do protocolo da dor torácica, que entra em vigor segunda-feira.

“A partir de agora, os técnicos de todas as ambulâncias de emergência médica do país podem pôr em prática o protocolo da dor torácica, um conjunto de procedimentos para os quais receberam formação e que incluem a realização de um eletrocardiograma (ECG) e a administração de fármacos, sob orientação médica”, revela o Jornal de Notícias (JN) na edição deste domingo.

Segundo o jornal, “é um passo de gigante para reduzir o risco de sequelas e de morte por enfarte agudo do miocárdio”.

Prometido há vários anos, o protocolo de dor torácica dos técnicos de emergência pré-hospitalar (TEPH) entra em funcionamento na segunda-feira com monitores novos em 56 ambulâncias de emergência médica, o que significa um acréscimo de 64% dos meios com esta resposta mais diferenciada.

Até aqui, só as viaturas médicas de emergência e reanimação e as ambulâncias de suporte imediato de vida estavam preparadas para dar a melhor resposta. E nem sempre estão disponíveis para acudir a todas as ocorrências”, escreve o jornal.

Um dos medicamentos protocolados é a aspirina, que ajuda a diluir o sangue e a desfazer os trombos nas artérias coronárias, adianta, acrescentando que, tanto a interpretação dos resultados do ECG, como a decisão de administrar fármacos, cabe exclusivamente ao médico que está no Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM a receber a informação em tempo real.

“É o maior ganho em saúde dos últimos anos”, assegura ao JN Ricardo Rocha, coordenador nacional TEPH do INEM, satisfeito com a conquista pela qual os técnicos lutam há anos.

Além de transmitirem informação ao CODU, os monitores de ECG também enviam dados ao hospital, através de uma plataforma informática.

Antes de o doente chegar, os médicos já estão a ver o eletrocardiograma no computador e já sabem se tomou medicação”, explica, por seu turno ao jornal, Gabriel Campos, TEPH, que tem sido responsável pela formação dos técnicos.

Se a via digital por alguma razão não funcionar, os novos monitores permitem imprimir o ECG para entregar ao médico no hospital.

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em Portugal e o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) recebe, em média, 17 mil chamadas para dor torácica por ano.

Dados citado pelos jornal indicam que 35 mil portugueses aproximadamente morrem todos os anos em Portugal por doenças cardiovasculares, o que corresponde a um terço de toda a mortalidade da população. Daquele total, cerca de oito mil óbitos são por enfarte agudo do miocárdio.

/ AG