Catarina Salgueiro Maia disse que chegou ao Luxemburgo em 2011



"Ele não me convidou a mim diretamente, porque eu já cá estava quando ele disse isso, e eu não usei a expressão no meu caso, mas se calhar exprimi-me mal", disse, sublinhando que só pretendeu alertar para a situação do país, considerando "que os governos em geral não valorizam os jovens que têm e a população em geral".

"Quando eu digo ‘eu obedeci' é porque deixei de acreditar no país que tenho", justificou.




"Há pessoas que me acusam de querer ter privilégios por ser filha de quem sou, e eu não quero privilégios nenhuns. Quando referi a expressão de Passos Coelho foi para alertar para o facto de as pessoas em Portugal não serem devidamente valorizadas, porque nós temos excelentes profissionais em Portugal que se veem obrigados a emigrar, porque não temos condições para os acolher", disse.