Os alunos que participam em projetos de empreendedorismo nas escolas revelam-se mais motivados, criativos e com mais competências para trabalhar em equipa, afirma um projeto europeu que envolveu estudantes portugueses.

Entre janeiro de 2015 e junho de 2018, quase 10 mil alunos portugueses – 3.538 do ensino básico e 6.439 do secundário - participaram neste projeto-piloto europeu, que envolveu 540 professores de 49 escolas portuguesas.

Durante este período, participaram em programas de empreendedorismo nas escolas e os resultados são hoje conhecidos: “Aprenderam competências empresariais e empreendedoras, bem como aspetos importantes para o trabalho e a vida, tais como gerir a incerteza”, dizem os responsáveis pelo projeto “Youth Start Entrepreneurial Challenges – YSEC”.

O programa foi experimentado também na Áustria, Luxemburgo e Eslováquia.

O estudo revela outros efeitos positivos nos alunos: sentem mais vontade de criar um projeto empreendedor e melhoram a sua literacia financeira e capacidade de planeamento.

Os resultados mostram ainda que os programas mais curtos e intensos têm melhores resultados do que os de longo termo: à medida que descobrem novas trajetórias de aprendizagem, “melhoram o trabalho em equipa, a motivação, a criatividade e a capacidade de reunir recursos”, lê-se no relatório a que a Lusa teve acesso.

Os professores também beneficiam com estes programas, já que a formação que receberam acabou por os ajudar a inovar nas suas práticas pedagógicas.

Perante estes resultados, os coordenadores do projeto recomendam um apoio à autonomia escolar através do empreendedorismo nos currículos existentes, utilizando programas de aprendizagem modulares, assim como defendem que os professores sejam incentivados a inovar e testar diferentes abordagens pedagógicas quando estão a ensinar.

O YSEC foi um projeto financiado com 2,6 milhões de euros pelo programa Erasmus + da União Europeia.