Mais de cinco mil alunos universitários pediram empréstimos à banca para pagar os estudos, ao abrigo do programa criado pelo Ministério do Ensino Superior destinado a complementar os apoios da Acção Social, indicou fonte oficial.

«Até Dezembro de 2008 tinham sido concedidos cerca de 5.500 empréstimos pelo sistema bancário ao abrigo do Sistema de Empréstimos a Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua», segundo fonte do gabinete de imprensa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES).

Em 2008, primeiro ano lectivo de funcionamento do programa, foram concedidos cerca de 3.150 empréstimos entre Janeiro e Julho.

O gabinete de imprensa do MCTES explicou, em comunicado, que o «sistema complementa os apoios directos do Estado através da Acção Social Escolar no Ensino Superior, o qual abrange cerca de 72 mil estudantes, visando a promoção do acesso ao Ensino Superior e melhorando as condições de frequência e conclusão dos cursos superiores».

No entanto, esta é uma opção contestada pelos presidentes das associações de estudantes contactados pela Agência Lusa, que lamentam que «a Acção Social esteja a ser substituída por entidades bancárias».

Os dirigentes das associações de estudantes dizem que a crise que se sente no país também se reflecte nas dificuldades dos alunos em pagar as contas. «Nota-se um aumento de pedidos de aconselhamento por dificuldades em pagar os estudos», disse à Lusa Gonçalo Assis, presidente da Associação de Estudantes da Universidade de Lisboa.