O encerramento "prende-se sobretudo com a falta de renovações e de novas inscrições de crianças no referido centro, isto é, na sua totalidade o número de crianças não chega às três dezenas".





A título de exemplo, a Misericórdia explica que teria de ser constituída uma única turma com crianças de três, quatro e cinco anos juntas, "o que pedagogicamente não é de todo aconselhável".