Mais de metade das 87 universidades e politécnicos privados violam a lei ao contratarem muitos dos seus professores através de recibos verdes a tempo parcial.

Ao todo, são 44 os casos que, de norte a sul do país violam as normas em vigor no regime jurídico dos graus e diplomas no Ensino Superior, sendo que o número traduz mais de 50% do total de instituições privadas.

Segundo o Jornal I, a denúnca parte do Sindicato Nacional do Ensino Superior, que diz que o cenário afeta 60% dos 7 mil e 500 docentes das instituições privadas.

O Sindicato diz que desde o início da legislatura tem vindo a tentar reunir com o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, bem como com a Associação Portuguesa de Ensino Superior Privado para que a situação precária destes professores seja resolvida.

Note-se que, desde 2006, que a lei obriga que cada universidade e politécnico , público e privado, tenha entre o total de docentes, um mínimo de 60 por cento destes profissionais integrados na carreira.