A Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) atribuiu mais 1.350 bolsas no âmbito do Concurso Geral para a Atribuição de Bolsas de Doutoramento, deixando de fora quase 2.500 dos 3.797 candidatos, segundo dados divulgados esta terça-feira.

De acordo com os dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), a taxa de aprovação global foi de 42% com a atribuição de 1.350 bolsas entre as 3.797 candidaturas, ficando de fora 2.447 candidatos.

A maioria dos novos bolseiros tem nacionalidade portuguesa (81%), mas a tutela sublinha o papel do concurso na atração de jovens estrangeiros para a investigação e desenvolvimento e formação avançada em Portugal.

No total, 19% dos candidatos selecionados são estrangeiros, provenientes de mais de 40 países. A maioria dos bolseiros são brasileiros (115), mas são ainda destacados os 41 italianos, 15 iranianos, 12 espanhóis e 10 alemães.

É também em Portugal que a maioria das bolsas se vai realizar de forma integral (80%), sendo que 17% se realizam tanto no país como no estrangeiro e 3% integralmente no estrangeiro.

Entre os 1.350 novos bolseiros, 58% são mulheres e 42% homens, acrescenta o comunicado.

Além das bolsas atribuídas no âmbito do concurso geral, a FCT financia programas de doutoramento e parcerias internacionais que permitem atribuir outras bolsas.

O total de novas bolsas a apoiar até ao final de 2020 (deve) atingir cerca de 2.200 bolsas de doutoramento”, sublinha a tutela.

Segundo o MCTES, este valor “mais que duplica o número de novas bolsas de doutoramento atribuídas anualmente desde 2015 e reforça o investimento na formação avançada, previsto no programa de Governo”.

As candidaturas foram avaliadas por 407 avaliadores distribuídos por 36 painéis científicos e os candidatos selecionados com base no mérito individual, do plano de trabalhos e das condições de acolhimento.

/ HCL