O Ministério da Educação anunciou que o Ministério Público vai abrir um inquérito sobre o caso de agressão a uma professora de uma escola de Quinta do Conde (Sesimbra) por «familiares de um dos seus alunos».

A tutela informou, em comunicado, que «a Procuradoria-Geral da República tem conhecimento da situação» e que «este inquérito terá a prioridade que foi fixada na Lei de Política Criminal», noticia a agência Lusa.

A secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário, Isabel Leite, e o secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar, João Casanova de Almeida, visitaram na quinta-feira o estabelecimento onde ocorreu a agressão, a Escola Básica do 1.º Ciclo/Jardim de Infância n.º 3 da Quinta do Conde.

Os responsáveis «estiveram reunidos com a docente, a direção do agrupamento e representantes da associação de pais» e o Ministério «disponibilizou apoio jurídico» à professora. Além disso, «o psicólogo do agrupamento de escolas está a acompanhar a situação e a prestar todo o apoio necessário à professora e aos alunos que assistiram à agressão».

Segundo a tutela, os secretários de Estado estiveram também na Escola Secundária Braamcamp Freira, na Pontinha (Odivelas), «onde na quarta-feira um professor foi agredido por um aluno». Neste caso, «foi aplicada ao estudante a suspensão preventiva da frequência» da escola e foi aberto um processo disciplinar, tendo também sido disponibilizado apoio jurídico e psicológico ao docente.

Perante estes casos, o Ministério da Educação sublinha que «são totalmente inadmissíveis e intoleráveis agressões verbais e físicas a professores, funcionários ou alunos». Além disso, reitera a necessidade de reforçar a segurança nas escolas, prevista na proposta de alteração ao Estatuto do Aluno.
Redação / FC