Um tribunal especial espanhol condenou na terça-feira o português Fábio Almeida a quatro anos de prisão pelo seu envolvimento numa rede terrorista que recrutava mulheres e crianças para o grupo Estado Islâmico.

Segundo a sentença que a agência Lusa obteve hoje, a Audiência Nacional condenou Fábio Miguel Medeiros de Almeida, nascido em 9 de abril de 1985 em Angra do Heroísmo, por “delito de doutrinamento passivo terrorista”, à pena de quatro anos de prisão, sem que tenham havido “circunstâncias genéricas de responsabilidade criminal”.

Na mesma sentença, o tribunal, que trata de casos de delitos de crime organizado como terrorismo, também condenou outras três pessoas a sete anos de prisão, como “autores penalmente responsáveis” de um delito de “aliciamento e doutrinamento terrorista”.

Os quatro estavam detidos desde 4 de outubro de 2015 e eram acusados pelo Ministério Público espanhol de pertencerem a uma célula do Daesh [acrónimo em árabe do Estado Islâmico] criada em 2014 para recrutar crianças e jovens do sexo feminino.