«É tempo de hoje de abandonar as questiúnculas pessoais ou institucionais que muitas vezes perpassam - das quais o poder político não se pode também isentar de responsabilidade - e que pouco ou nada contribuíram para a eficácia do sistema de Justiça e do progresso social».







«Creio firmemente que uma Justiça de maior qualidade conduz necessariamente a uma democracia de qualidade. Não é possível ter uma democracia de qualidade sem ter uma justiça de qualidade».











«Nunca foi recusado os reforços de meios. O que não podemos fazer é abrir cursos todos os anos para uma centena ou uma centena e meia de magistrados. Estamos à cabeça dos países da Europa com mais magistrados do MP».



«Já temos legislação adequada. O problema é de procedimentos. Na violação do segredo de justiça, há vários atores, não vamos ser ingénuos. Costumo ouvir dizer que a violação vem das polícias ou das magistraturas a violação do segredo justiça, vem da defesa como estratégica, como é evidente».