Um português de 24 anos foi detido, na segunda-feira, em Greenwich, estado norte-americano do Connecticut, por suspeitas do homicídio da ex-namorada, cujo corpo foi encontrado dentro de uma mala e com as mãos atadas, no último dia 5 de fevereiro.

De acodo com a CNN, o corpo de Valerie Reyes foi encontrado por um grupo de trabalhadores de uma autoestrada, que estranharam ver uma mala de viagem a poucos metros da berma.

Javier da Silva, que tem dupla nacionalidade venezuelana e portuguesa, viajou para os Estados Unidos em 2017, com um visto com termo certo. Quando terminou o prazo de permanência no país, não saiu e ficou nos Estados Unidos de forma ilegal, adianta a CNN.  

Quando foi detido, na última segunda-feira, terá dito à polícia que Valerie caiu e bateu com a cabeça, enquanto estavam a fazer sexo, no apartamento da jovem, em Nova Iorque. Quando percebeu que estava morta, resolveu meter o cadáver dentro de uma mala.

O gabinete de Medicina Legal não revelou as reais causas da morte de Valerie, nem as circunstâncias em que terá ocorrido.

No interrogatório judicial, Javier da Silva disse que quando percebeu que a jovem estava morta, resolveu pôr-lhe fita adesiva na boca, nas mãos e nas pernas. De acordo com a acusação, depois disso, meteu a mala com o corpo no carro e conduziu durante um largo período de tempo, até deixar a mala numa floresta.

Quando foi encontrada, Valerie tinha a blusa desapertada e as mãos estavam atadas atrás das costas.
Durante a investigação, a família da jovem disse à polícia que ela tinha namorado com alguém chamado Javier, mas que tinham terminado há cerca de um ano, avança a CNN, que cita documentos judiciais. Durante diligências em casa de Valerie, a polícia encontrou um desenho que coincidia com a foto de perfil de Javier numa rede social e foi assim que chegou até ele.

De acordo com a polícia, antes de ser detido, Javier usou o cartão multibanco de Valerie. O cartão foi usado para levantar cerca de mil dólares, em New Rochelle, no dia em que ela desapareceu. Câmaras de segurança do banco onde estava instalada a caixa ATM mostram um homem que usava um capuz preto a usar a máquina precisamente à mesma hora em que foi registado o levantamento.

As mesmas imagens mostram o carro em que o suspeito se deslocava. O carro tinha sido alugado para os dias 28 e 29 de janeiro, mas Javier estava registado como segundo condutor. Valerie desapareceu na manhã do dia 29. Foi encontrada cerca de uma semana depois, já morta, a 56 quilómetros da cidade de Nova Iorque.

Manuela Micael