«No período temporal analisado – ano precedente e subsequente à legislação em estudo -, entre os jovens inquiridos e entrevistados, verifica-se a tendência de manter a frequência de consumos, incluindo de bebidas espirituosas entre os menores de 18 anos», refere a análise do SICAD, concluída em dezembro passado e hoje divulgada.