Os portugueses consomem anualmente, em média, 12 litros de álcool, um dos registos mais elevados dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), segundo um relatório esta quarta-feira divulgado.

De acordo com o estudo "Prevenir a Utilização Nociva do Álcool", a média de Portugal considera pessoas com 15 ou mais anos e os 12 litros de álcool consumidos são o equivalente a duas garrafas e meia de vinho ou 4,6 litros de cerveja por semana.

De acordo com a análise feita em 52 países, "os homens consomem 19,4 litros de puro álcool ´per capita` por ano, enquanto as mulheres consomem 5,6 litros".

Entre os países da OCDE, o consumo médio é de 10 litros anuais de álcool por pessoa.

Segundo o estudo esta quarta-feira divulgado, o consumo excessivo de álcool vai ter impacto na saúde e na esperança média de vida.

Nos próximos 30 anos, estima-se que os portugueses vão ver a esperança média de vida reduzida em um ano, "devido a doenças e lesões provocadas pelo consumo diário" de mais de uma bebida por dia, no caso das mulheres, e mais de uma bebida e meia por dia, no caso dos homens, alertou o mesmo relatório.

O número está em linha com a média da União Europeia, ligeiramente inferior, mas tem um impacto maior quando comparado com a média dos países da OCDE. Já a Alemanha apresenta um registo mais preocupante.

De acordo com o mesmo estudo, com base nos atuais padrões de consumo em Portugal, a OCDE prevê que as doenças e lesões causadas pelo consumo excessivo de álcool originem um aumento de 2,3% nas despesas com a saúde e uma redução da produtividade no trabalho.

Consequentemente, o Produto Interno Bruto de Portugal estimado é, em média, 1,9% mais baixo até 2050, excluindo qualquer impacto sobre a indústria do álcool", refere o relatório da OCDE.

O estudo indica que em Portugal "26,6% dos adultos embriagam-se pelo menos uma vez por mês", o correspondente à ingestão de mais do que 80% de uma garrafa de vinho ou 1,5 litros de cerveja numa única ocasião.

A mesma análise sublinha que "13% das raparigas e 14% dos rapazes com 15 anos de idade" já estiveram embriagados pelo menos duas vezes na sua vida, ao mesmo tempo que é acentuado que crianças que nunca experimentaram um estado de embriaguez têm 26% maior probabilidade de ter um bom desempenho escolar.

É ainda referido que as mulheres com ensino superior são em 80% dos casos mais propensas a um consumo imoderado de álcool uma vez por mês.

O estudo da OCDE considera existir um bom desempenho em Portugal em algumas áreas para reduzir os efeitos nocivos do consumo de álcool, mas sugere o reforço de algumas dessas medidas para combater o consumo imoderado.

Em Portugal, o preço das bebidas alcoólicas é considerado baixo, pelo que é recomendada a fixação de preços mínimos.

O documento defende também um maior controlo da condução sob o efeito de álcool, para prevenir acidentes de viação e ferimentos.

A proibição total da publicidade ao álcool para crianças através dos novos e tradicionais meios de comunicação, assim como em expositores de ponto de venda, é também aconselhada.

Formar quem serve as bebidas sobre como prevenir, identificar e ajudar consumidores alcoolizados, como acontece na Alemanha e em Espanha, é outra das medidas sugeridas.

Segundo o estudo "Prevenir a Utilização Nociva do Álcool", Portugal deve investir 1,6 euros por cidadão num conjunto de medidas para combater o uso excessivo de álcool, para dessa forma prevenir até 2050 "542 mil doenças e lesões", "poupar 45 milhões de euros por ano em custos de saúde" e "aumentar o emprego e a produtividade o equivalente a 6 mil trabalhadores a tempo inteiro por ano".

"Por cada euro investido neste pacote de medidas, 16 euros serão devolvidos em benefícios, sem considerar qualquer impacto sobre a indústria do álcool", frisa o relatório.

/ JGR