As dez escolas que obtiveram melhor classificação nos exames do 9.º ano são todas privadas, sendo que destas a maioria fez menos de 100 exames e há apenas uma que teve melhores notas nas provas do que na classificação interna final.

Escola Localização Média sem exames Média dos exames
Colégio Minerva Barreiro 4,339286 4,410714
Colégio Horizonte Vila Nova de Gaia 4 4,321429
Colégio Nossa Senhora da Paz Porto 3,663043 4,304348
Colégio Inglês de São Julião Cascais 4,235294 4,264706
Colégio Grande Colégio Universal Porto 4,040816 4,234694
Colégio Luso-Francês Porto 3,893204 4,223301
Colégio D. Diogo de Sousa Braga 4,273026 4,213816
Colégio Nossa Senhora da Conceição Guimarães 3,907895 4,210526
Externato As Descobertas Lisboa 4,115385 4,192308
Colégio Moderno Lisboa 3,525597 4,177474

O colégio Minerva, no Barreiro, Setúbal, lidera este "top 10", com 56 provas realizadas e com um resultado de 4,41, acima da nota final interna média de 4,3 dos alunos que foram a exame. Importa aqui lembrar que, no 9.º ano, as notas variam entre os níveis 1 e 5, sendo o nível 3 o primeiro patamar das notas positivas.

Ao colégio Minerva seguem-se na lista o Colégio Horizonte, em Vila Nova de Gaia, e o Colégio Nossa Senhora da Paz, no Porto.

A melhor escola pública aparece já fora do "top 30": trata-se da Escola Secundária Infanta D. Maria, em Coimbra, que ocupa a 31.ª posição, com 148 exames realizados e também com notas em exame mais altas do que a classificação interna final (CIF). Esta escola regista uma média em exame de 4,01 e uma CIF de 3,89.

O TOP 10 das escolas públicas

Escola Localização Média sem exames Média dos exames Classificação no ranking geral
Escola Secundária Infanta D. Maria Coimbra 3,885135135 4,006756757 31
Escola Básica dos 1º, 2º e 3º Ciclos com Pré-Escolar do Porto da Cruz Machico 3,304347826 3,97826087 35
Escola Artística do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, Braga Braga 3,375 3,923076923 41
Escola Secundária Dr. Mário Sacramento, Aveiro Aveiro 3,617346939 3,816326531 57
Escola Secundária Artística de Música do Conservatório Nacional, Lisboa Lisboa 3,467741935 3,806451613 58
Escola Artística do Conservatório de Música do Porto Porto 3,525641026 3,794871795 61
Escola Básica n.º 1 de Cercal do Alentejo Santiago do Cacém 3,961538462 3,730769231 74
Escola Secundária Eça de Queirós, Póvoa de Varzim Póvoa de Varzim 3,473214286 3,669642857 79
Escola Secundária Alves Martins, Viseu Viseu 3,431192661 3,642201835 84
Escola Básica Eugénio de Castro Coimbra 3,351515152 3,612121212 88

A segunda melhor escola pública, a Escola Básica dos 1.º, 2.º e 3.º Ciclos com Pré-escolar do Porto da Cruz, em Machico, Madeira, ocupa a 35.ª posição, seguindo-se, em terceiro lugar, a Escola Artística do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga.

Entre as escolas com os resultados mais baixos nos exames de Português e Matemática do 9.º ano estão a Escola Portuguesa da Beira, Moçambique, com uma média de 1,42, a Escola Básica da Apelação, Loures, Lisboa, com uma média de 1,71, e a escola Secundária Matias Aires, Sintra, Lisboa, com um resultado médio de 1,92.

Entre as dez escolas com resultados mais baixos apenas a escola da Beira é privada.

Em termos distritais, Coimbra lidera o ‘ranking’ dos melhores resultados em exames, com uma média de 3,18 e uma CIF média de 3,28, com 6.609 exames realizados. Pelo contrário, a região autónoma dos Açores é a última classificada, com uma média em exames de 2,64 e uma CIF média de 3,15, em 4.379 provas.

Entre os 18 distritos de Portugal continental, as duas regiões autónomas (Madeira e Açores) e as escolas portuguesas no estrangeiro, apenas estas últimas e seis distritos (Coimbra, Viseu, Braga, Aveiro, Viana do Castelo e Guarda) registaram uma média positiva nos exames, mas todas as regiões conseguiram média positiva na CIF.

A variação média dos resultados médios por distrito nos exames é de 0,5, com a média mais alta (Coimbra) a fixar-se nos 3,18 e a mais baixa (Açores) nos 2,64.

Já a variação na CIF média é de cerca de 0,2 com o registo mais alto a pertencer a Vila Real, com 3,29 e o registo mais baixo, o de Beja, a fixar-se nos 3,06.

Lisboa é o distrito com mais exames realizados (39.968), seguido pelo Porto (35.233) e Braga (16.399).

Segundo os dados disponibilizados pelo Ministério da Educação, no portal InfoEscolas, e analisados pela Lusa, entre 1.221 escolas, 60% tiveram resultados negativos, sendo que o problema afeta sobretudo os 1.003 estabelecimentos de ensino público.

Os dados indicam que 67% das escolas públicas não conseguiram atingir uma nota positiva nos exames do 9.º ano. Já entre as 218 escolas privadas que fizeram exames do 9.º ano a larga maioria (72%) obteve notas positivas.

Ainda assim, os dados gerais, que indicam 60% de negativas, representam uma melhoria em 15 pontos percentuais face ao ano anterior.

 

As maiores subidas e os maiores tombos no ranking

O Colégio Encosta Nova, no Porto, passou de uma média negativa nos exames do 9.º ano para uma média positiva e lidera as subidas no ‘ranking’ das escolas deste ano, com uma ascensão de 968 lugares.

A escalada de quase mil lugares deixa este colégio entre as 160 escolas com melhores médias nos exames do 9.º ano em 2017, na posição 159, contra o lugar 1.127 ocupado no ano anterior.

A subida fez-se à conta de resultados médios nos exames um nível acima comparativamente com 2016: de uma média de 2,33 este colégio passou para uma média de 3,38 nas provas de Português e Matemática.

Entre as dez maiores subidas no ranking sete são de escolas públicas.

A segunda escola com maior subida na tabela foi a Escola Básica de Alcoutim, distrito de Faro, que melhorou 833 lugares, passando da posição 1.165 para a posição 332, graças a uma média de exames de 3,125, acima dos 2,25 de 2016.

No terceiro lugar está o Colégio São Filipe, no distrito de Setúbal, que subiu 818 lugares, da posição 962 para a posição 144, ao sair de um registo médio negativo nos exames de 2,5 para uma média de 3,43.

Nas três maiores subidas a classificação interna final (CIF) manteve-se praticamente inalterada de um ano para o outro, ou registou melhorias de décimas, mas a quinta escola com uma maior subida no ‘ranking’ piorou em 2017 a sua CIF média, que já era negativa em 2016.

O Externato António Sérgio, distrito de Beja, subiu 786 lugares, estando agora entre as 250 melhores escolas nos exames do 9.º ano, com uma média de 3,22, que compara com o registo de 2,45 de 2016. No entanto, apesar de figurar entre as 250 melhores escolas nos exames, os alunos do externato não atingem um patamar médio positivo na classificação final, tendo a escola piorado os resultados de uma CIF média de 2,94 em 2016 para 2,79 em 2017.

Os dados mostram também grandes quedas na classificação. E entre as dez maiores descidas apenas duas são escolas privadas.

A maior queda foi a da Escola Básica de Pereira, distrito de Coimbra, cujo tombo de 912 lugares a fez descer de uma posição entre as cem melhores em 2016, quando ocupava o 62.º lugar, para a posição 974 entre 1.221 escolas.

Para o fundo da tabela caíram também a Escola Secundária de Figueiró dos Vinhos, distrito de Leiria, e a Escola Básica de Barrancos, distrito de Beja. A primeira caiu 906 lugares, da posição 127 para a posição 1.033, com uma quebra na média de exames de 3,31 para 2,54 e uma quebra na CIF média de 3,43 para 2,99. A segunda caiu 873 lugares, da 301.ª posição para a 1.174.ª e de uma média de exames de nível 3 para um registo médio de 2,26.

Apenas o Externato Liceal de Albergaria dos Doze, distrito de Leiria, e o Colégio Horizonte, no Porto, mantêm a mesma posição na tabela face a 2016, ocupando o 90.º lugar e 2.º lugar, respetivamente.

Só 86 escolas mantém uma posição relativamente estável face ao ano anterior, com subidas e descidas iguais ou inferiores a dez lugares.