As raparigas obtiveram melhores resultados no ensino secundário e exames nacionais em 2020, destacando-se em áreas como Matemática, Física e Química ou Espanhol, enquanto os rapazes foram melhores apenas a Geografia, História e Geometria Descritiva.

As notas dos alunos do ensino secundário nos exames nacionais de 2020 subiram em relação ao ano anterior e as raparigas voltaram a ter melhores desempenhos, segundo uma análise realizada pela Lusa tendo por base dados solicitados ao Ministério de Educação.

A subida geral das notas foi resultado das novas regras implementadas devido à pandemia de covid-19: os testes tinham mais perguntas opcionais, sendo contabilizadas apenas as respostas com melhores classificações. Além disso só precisa ir a exame quem quisesse candidatar-se ao ensino superior.

No ano passado, os exames nacionais deixaram de ser obrigatórios para a conclusão do secundário, contando apenas para a média de acesso ao ensino superior.

As alunas obtiveram uma média de 13,25 valores (no ano anterior foi de 11,27), enquanto os rapazes tiveram 12,85 (em 2019 foi de 11 valores), o que representa uma melhoria de cerca de dois valores em ambos os sexos (numa escala de zero a 20).

Sexo

Média Exame (Valor)

F

13,25

M

12,85

As notas médias de todas as disciplinas subiram, à exceção de Matemática Aplicada às Ciências Sociais, em que ambos os sexos "chumbaram".

Mesmo assim, as raparigas conseguiram aproximar-se dos dez valores (9,71 valores), enquanto os rapazes obtiveram uma média de 8,91 valores.

Espanhol foi a disciplina com melhor média nacional - as raparigas obtiveram 16,38 valores e os rapazes 15,48 –, seguindo-se Inglês (média a rondar os 15 valores) e Desenho A, áreas em que as raparigas voltaram a ter melhores resultados mas apenas com uma diferença de algumas décimas.

As disciplinas em que se notaram maiores disparidades no desempenho foram Física e Química A, Matemática A, Matemática B e História da Cultura e das Artes, nas quais a diferença da média nacional entre rapazes e raparigas foi de quase um valor.

Os rapazes, por seu turno, destacaram-se a Geografia A, História A e Geometria Descritiva A, superando as médias nacionais obtidas pelas colegas.

A média dos rapazes a Geografia foi de 13,86 valores (mais cinco décimas que as alunas) e a História A foi de 13,57 valores (quase mais três décimas).

Mas foi a Geometria Descritiva A que se notou a maior diferença: a média dos exames realizados pelos rapazes foi de 12,21 valores, enquanto as provas das raparigas se ficaram pelos 10,40 valores, ou seja, quase dois valores de diferença. 

Para o ‘ranking’ das escolas do ensino secundário com melhores médias, a agência Lusa selecionou apenas aquelas onde tinham sido realizadas pelo menos 100 provas.

Já para chegar às médias das classificações conseguidas nas diferentes disciplinas, assim como as médias por distrito, foram contabilizadas todas as provas realizadas. A análise contempla 225.307 exames realizados.

A pandemia de covid-19 levou o Governo a suspender, no ano letivo de 2019/2020, as provas nacionais do 9.º ano, razão pela qual este ano não existem peças sobre resultados nesse ciclo de ensino.

No secundário, pela primeira vez, os dados enviados pelo Ministério não fizeram qualquer distinção entre alunos internos e externos.

Também este ano, a Lusa não analisou os dados relativos às notas internas dos alunos (CIF) uma vez que os dados disponibilizados pelo Ministério eram provisórios e a sua validação estava ainda em curso pelos serviços.

. / CP