de corrupçãoFace Oculta

Nas alegações finais, a procuradora da República considerou ter ficado provado que o ex-funcionário da Refer "recebeu pagamentos injustificados extremamente avultados" para praticar "atos materiais que visavam favorecer economicamente a SEF", do sucateiro Manuel Godinho.


"Estamos a falar de factos bastante graves, que envolvem vantagens bastante avultadas", sublinhou a procuradora, que pediu a condenação dos dois arguidos, deixando ao coletivo de juízes "a escolha de uma pena adequada ao caso".










"A acusação diz que o arguido pagou 128 mil euros para receber 114. Isto é um disparate", referiu Artur Marques.