Os três homens detidos em maio de 2019 com cerca de 600 quilos de cocaína a bordo de um veleiro, na ilha do Faial, Açores, foram condenados a penas entre os nove e os 10 anos de prisão.

De acordo com a informação disponibilizada na página da Internet da Procuradoria da República da Comarca dos Açores, consultada pela agência Lusa, o Tribunal Central Cível e Criminal de Angra do Heroísmo “deu como provado" que os três homens de "nacionalidades montenegrina, croata e inglesa, juntaram a sua contribuição a um grupo que se dedica à importação e transporte para a Europa de cocaína".

"E, mediante aquilo que lhes foi destinado, organizado e comandado", os três arguidos "transportaram, em pleno oceano", num veleiro, cerca de 600 quilos de cocaína.

Os três homens acabariam por ser intercetados na ilha do Faial.

De acordo com a Procuradoria da República da Comarca dos Açores, a droga apreendida no veleiro seria "para entrega final, aos membros da mencionada organização".

Os arguidos aguardam o trânsito em julgado da decisão em prisão preventiva, adianta ainda o texto.

A investigação foi dirigida pelo Ministério Público da Horta, Faial, do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) dos Açores, coadjuvado pela Polícia Judiciária (Departamento de Investigação Criminal dos Açores).

A Polícia Judiciária (PJ) apreendeu em maio de 2019 cerca de 600 quilos de cocaína e deteve três homens na sequência de buscas a uma embarcação procedente das Caraíbas, na marina da Horta, na ilha do Faial.

Segundo disse a PJ na altura, as buscas ao veleiro resultaram de uma investigação internacional, no âmbito do combate ao tráfico de estupefacientes por via marítima, levada a cabo pelo Departamento de Investigação Criminal de Ponta Delgada (ilha de São Miguel, Açores) e pela Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes.

A investigação contou com o apoio do Maritime Analysis and Operations Centre – Norcotics (MAOC-N), com sede em Lisboa, e das autoridades espanholas, francesas, italianas e montenegrinas.

/ NM