Foi emitido um mandado de busca e apreensão com vista à remoção de 124 obras de arte arrestados a João Rendeiro e que tinham ficado à guarda da sua mulher, Maria de Jesus Rendeiro.

As obras encontravam-se na residência de Maria de Jesus Rendeiro na Quinta Patino, em Cascais. O mandado foi emitido na sequência do processo em que o antigo administrador do Banco Privado Português foi condenado por crimes de fraude fiscal qualificada, abuso de confiança e branqueamento de capitais.

Ao que a TVI conseguiu apurar, existem suspeitas de falsificação de obras que substituíram as verdadeiras, sendo que a Polícia Judiciária vai proceder à análise dos quadros e esculturas por peritos.

No despacho consultado pela TVI, é informado de que Maria de Jesus Rendeiro, ao ser confrontada com a suspeita de que alguns dos referidos objectos pederiam não corresponder aos originais, "terá expressado, através de advogado que se encontra presente, oposição à remoção dos mesmo".

No entanto, por os objetos estarem a ser analisados pela PJ e se encontrarem apreendidos, a sua remoção poderia ser ordenada a qualquer momento, não podendo a suspeita manifestar-se contra essa ordem.

A verificar-se a existência de adulteração ou substituição das obras de arte, poderá estar em causa a prática de crime de descaminho ou destruição de objectos colocados sob o poder público.

Henrique Machado