As greves na saúde já originaram mais de 72 mil dias de ausência ao trabalho só nos primeiros cinco meses do ano.

As contas do Jornal de Notícias, mostram que este número é quase o triplo do mesmo período de 2018, que começou mais calmo, mas que terminou com 181 mil dias de trabalho perdidos.

Este ano, a contestação no setor começou mais cedo e os próximos dias prometem mais protestos.

Para amanhã, o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas marcou uma greve. param, por exemplo, os assistentes operacionais e os técnicos.

Terça e quarta-feira da proxima semana, há greve dos médicos, que coincide parcialmente com a paralisação dos enfermeiros.

O Sindepor, um dos sindicatos responsáveis pela greve cirúrgica, emitiu um pré-aviso de greve entre 2 e 5 de julho.