O dispositivo especial de proteção e socorro para a visita do papa a Fátima, em maio, vai envolver 668 operacionais, podendo este número ser aumentado com mais 312, caso aconteça alguma situação de exceção.

O dispositivo de proteção e socorro da “Operação Fátima 2017” para a visita do papa Francisco ao santuário foi hoje apresentado na Autoridade Nacional de Proteção Civil.

O comandante nacional da Proteção Civil, Rui Esteves, adiantou que o dispositivo estará ativo a partir das 10:00 do dia 10 de maio e será desativado às 20:00 do dia 14, tendo neste período diferentes níveis de envolvimento de meios.

Segundo Rui Esteves, o nível dois, que funcionará entre as 8:00 do dia 12 de maio e as 7:59 do dia 14 vai envolver 668 operacionais de corpos de bombeiros, Cruz Vermelha Portuguesa, INEM, Exército, Força Aérea e também elementos do Corpo Nacional de Escutas.

Caso aconteça algo será ativado o nível de exceção e acionados mais 312 operacionais”, disse o comandante nacional da Proteção Civil, avançando que, no total, o dispositivo de proteção e socorro envolve 980 operacionais.

Segundo o comandante, o nível de exceção será acionado “quando se esgotarem os meios que estão no terreno no nível dois”.

Rui Esteves explicou que no primeiro nível, ativo entre 14:00 de 10 de maio e 07:59 de 12 de maio, o dispositivo de cerca de 350 operacionais é idêntico ao dos anos anteriores em Fátima.

No segundo nível, o número de operacionais aumenta para o dobro, tendo em conta o elevado número de peregrinos.

Estacionamento e hospitais

No âmbito da operação, a Proteção Civil vai criar condições de segurança nos parques de estacionamento, onde vão existir postos de primeiros socorros com bombeiros e veículos para intervir em caso de incêndios urbanos ou em viaturas.

Existirão também postos de primeiros socorros com duas ambulâncias e quatro tripulantes.

Quando temos um grande aglomerado de pessoas não podemos chegar lá com veículos. Por isso os meios de socorro têm que estar localizados”, afirmou.

Além de veículos de extinção de incêndios urbanos e de carros, ambulâncias de socorro e postos médicos avançados, os meios materiais no terreno em Fátima integram também um hospital de campanha e quatro helicópteros.

Rui Esteves realçou que o hospital de campanha do INEM vai estar estrategicamente colocado para fazer tratamentos e triagens, enquanto os postos médicos avançados vão estar colocados junto ao santuário para prestar socorro imediato.

O comandante disse ainda que também fazem parte do plano de proteção e socorro os hospitais de Santarém, Leiria e Coimbra, além das unidades de saúde nacionais de referência, que funcionam como reserva estratégica.

Segundo Rui Esteves, estes hospitais estão preparados para responder a uma qualquer situação, depois de feita a triagem e avaliação no terreno.

Se tivermos uma pessoa queimada naturalmente terá que ser transportado para um hospital que está previamente preparado para o receber”, disse.