«Mesmo perante a clareza das posições do Senhor Provedor de Justiça, que o MEC, até agora, mostrou não respeitar, não foram corrigidas as decisões feridas de nulidade. Impávida e sobranceiramente, o MEC continua a prejudicar muitos professores e educadores», afirmou a Fenprof, em comunicado.