Lisboa vai ter um programa de alargamento de testagem aos munícipes da cidade. Todos os residentes com mais de 16 anos, que "se insiram dentro dos critérios de risco definidos pelas autoridades de saúde", vão ter a oportunidade de fazer um teste a cada 15 dias, ou seja dois testes de antigénio por mês, sem qualquer custo.

Apresentamos um sistema de testagem geral e transversal à cidade de Lisboa, assegurando a gratuitidade de dois testes por mês a todos os munícipes que desejem e se insiram dentro dos critérios de risco definidos pelas autoridades de saúde”, explica Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

A testagem vai incidir sobre os moradores das freguesias que tenham mais de 120 casos por 100 mil habitantes. Esta mapa será atualizado semanalmente pelas autoridades de saúde.

As freguesias que baixam dos 120 casos por 100 mil habitantes ficam num período de vigilância de um mês, em que os moradores poderão continuar a realizar os testes de forma gratuita.

Estamos a criar um novo pilar. Uma testagem universal e gratuita para os munícipes da cidade de Lisboa. (…) Este é um programa de uma nova fase. Um novo pilar de testagem mais massificada, aberta à população, criada numa parceria entre o município de Lisboa, ARS, SNS e a Associação Nacional de Farmácias”, refere Fernando Medina.

O programa de testagem arranca no dia 31 de março e toda a informação será disponibilizada nos sites e redes sociais da Câmara Municipal de Lisboa e da Associação Nacional de Farmácias. As inscrições serão feitas através de um telefonema para qualquer farmácia aderente ou de modo digital.

Nesta primeira fase, o programa vai arrancar com adesão de 100 farmácias. Contudo, Fernando Medina explica que esteve valor vai crescer, podendo estender-se a mais de 200 farmácias. 

O Presidente da Câmara Municipal de Lisboa acrescenta que o programa deverá manter-se em funcionamento até que seja atingida a imunidade de grupo.

“Estará disponível no fundo enquanto for necessário”, explica Medina.

Os resultados dos testes serão, posteriormente, inseridos na rede SINAVE, que monitoriza os dados pandémicos em Portugal.

Fernando Medina explica que a criação deste plano de testagem gratuito e universal surge dadas as fragilidades de Lisboa ao risco de contágio da covid-19, uma vez que o país vai entrar numa fase de desconfinamento.

Sabemos os riscos que um processo de desconfinamento traz ao possível aumento dos números. Sabemos também que a região de Lisboa é uma região mais sensível relativamente à dimensão da pandemia, porque é aqui que a dimensão populacional é maior e é aqui que a circulação é maior. Por essa razão é aqui que temos de ter um programa mais robusto, mais sólido e inovador. O maior programa de testagem a nível nacional que estará disponível”, esclarece o presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

 

Nuno Mandeiro