[Artigo actualizado dia 28 de Junho às 12:42]

Ferro Rodrigues acusou duas testemunhas do processo Casa Pia por «denúncia caluniosa», com base nos depoimentos feitos à Polícia Judiciária durante a investigação do caso, mas o Tribunal de Instrução Criminal (TIC), de Lisboa, decidiu pela «não pronúncia» dos jovens segundo informações recolhidas pelo PortugalDiário. Recorde-se que os dois ex-alunos da instituição envolveram o ex-líder socialista, referindo tê-lo visto em casas onde decorriam abusos sexuais.

O Ministério Público já tinha determinado o arquivamento da queixa apresentada por Ferro Rodrigues «por falta de provas». Mas a defesa do socialista, a cargo de Manuel Pedroso Lima, avançou com uma queixa-crime particular «por difamação na qual era deduzido um pedido cível», explicou ao PortugalDiário a defesa do ex-líder socialista.

Os advogados da Casa Pia requereram a abertura de instrução do processo e a decisão judicial, do TIC, foi conhecida esta segunda-feira de manhã. Para o tribunal «não estavam preenchidos os elementos do tipo de crime que fundamenta a queixa», ou seja, «difamação».

Segundo a mesma fonte da defesa de Ferro Rodrigues, este vai agora recorrer da decisão do TIC para o Tribunal da Relação de Lisboa, «no prazo de 20 dias a contar de segunda-feira».

Há processos ainda a decorrer

Após as declarações durante a fase de inquérito, os dois jovens reafirmaram os testemunhos em tribunal. E através de um comunicado foi conhecida, na altura, nova decisão do ex-secretário-geral do PS em voltar a processar por depoimento falso os jovens.

«Porque as afirmações hoje produzidas constituem novo crime, mais uma vez será apresentada queixa ao Ministério Público por depoimento falso», justificou o advogado de Ferro Rodrigues, Manuel Pedroso Lima, na altura.
Patrícia Pires