O coordenador do Gabinete de Crise da Ordem dos Médicos, Filipe Froes, defendeu que Portugal está numa fase da pandemia da qual é preciso separar os problemas e olhar para a solução.

A solução é proteger cada vez mais pessoas e, à medida de tivermos dados do mundo real, fundamentarmos melhores decisões", afirmou.  

O também pneumologista reforçou a ideia, ao dizer que a vacinação tem salvo milhares de pessoas e tem permitido o desconfinamento progressivo dos vários setores do país. 

As vacinas têm salvo milhares de vítimas, têm salvo milhares de pessoas, colegas nossos, população e têm permitido aquilo que nós estamos a ver, uma retoma progressiva da atividade social e económica."

Eficácia das vacinas? "Nunca podemos comparar maçãs com laranjas"

Filipe Froes disse que o Gabinete de Crise recebe constantemente dúvidas sobre a eficácia das vacinas e qual a mais indicada. A estas incertezas das pessoas, o especialista alertou para a forma como os estudos são feitos. 

Nós nunca podemos comparar maçãs com laranjas. Nós temos de comparar maçãs com maçãs. E se nós olharmos e fragmentarmos esta informação sobre a eficácia das vacinas, e isto já foi feito noutros países, vemos que temos estudos diferentes, com metodologias diferentes, em alturas diferentes, em países diferentes, com outcome diferentes e os resultados não são comparáveis."

Ainda assim relembrou que há um denominador comum entre todas: a redução das hospitalizações e de mortes.

Filipe Froes discursou durante o 23.º Congresso Nacional da Ordem dos Médicos, em Coimbra.

Cláudia Évora