Investigação já dura há seis anos