“Estas pessoas vão substituir os que vinham dos centros de emprego. Serão feitos contratos de um ano que podem ser renovados por três anos, caso haja necessidade nas escolas. Esta medida peca por tardia mas é muito boa”, disse à Lusa Filinto Lima, acrescentando que os diretores vão começar hoje a preparar os processos e, nos próximos dias, "vão começar a aparecer anúncios dos concursos em jornais diários nacionais e a ser afixados nas escolas".