O Ministério da Educação manifestou esta quinta-feira abertura para que os professores dos quadros que tenham concorrido à mobilidade e não tenham conseguido a colocação pretendida possam recorrer ao regime de permutas, disse à Lusa fonte sindical.

A proposta foi defendida pela Federação Nacional da Educação (FNE) durante uma reunião com a tutela para negociar um novo regime de permutas, disse à agência Lusa a dirigente sindical Lucinda Manuela Dâmaso, que participou no encontro.

De acordo com a mesma fonte, o documento que foi apresentado pelo Governo excluía do regime de permutas os docentes dos quadros que tivessem recorrido ao concurso de mobilidade interna para aproximação à residência e não tivessem conseguido a colocação pretendida.

Pareceu-nos que houve abertura, não houve uma rejeição, pelo contrário, a senhora secretário de Estado (Alexandra Leitão) percebeu” os argumentos apresentados pela FNE, afirmou a mesma fonte.

De fora, ficarão os professores contratados, lamentou a dirigente sindical: “Foi-nos dito de imediato que essa figura estatutária não se aplica a um professor contratado”.

As permutas, explicou, são um recurso dos professores para obterem uma melhor colocação, normalmente para aproximação à residência.

O Ministério da Educação está hoje a reunir-se com os sindicatos de professores em Lisboa, para apresentar um projeto de portaria relativa ao regime de permutas.