O incêndio que lavra há várias horas em Castelo de Paiva, no distrito de Aveiro, já entrou em território do concelho vizinho de Arouca.

Este fogo deflagrou às 15:50, na localidade de Sobrado de Paiva, próximo de habitações.

De acordo com o comandante Joaquim Rodrigues, da corporação de Castelo de Paiva, as chamas evoluíram em zona de eucalipto e mato, em "zona muito acidentada", prevendo que o seu combate, que disse ser muito difícil, se prolongue por mais algumas horas, apesar de estar em curso um reforço de meios.

"Já ardeu uma área imensa que não consigo agora quantificar", afirmou.

Questionado sobre a eventual existência de casas em risco, o comandante referiu não haver.

Durante a tarde, outra frente de fogo, entretanto controlada, chegou a ameaçar algumas habitações entre as freguesias de Bairro e Real.

No local estavam, às 21:30, 294 operacionais, apoiados por 85 veículos. Os meios aéreos, que chegaram a ser quatro, retiraram-se com o cair da noite.

O fogo tem, agora, duas frentes ativas (chegou a ter três) e levou ao corte de uma via entre o Lugar de Ladroeira e Santo Adrião.

O presidente da Câmara de Castelo de Paiva, Gonçalo Rocha, disse à Lusa não haver casas em risco e que os bombeiros vão prosseguir o combate durante a noite, esperando-se que "tudo esteja resolvido quando o sol nascer".

Gonçalo Rocha adiantou que este fogo afeta uma zona "completamente diferente" do grande incêndio de outubro de 2017, que destruiu cerca de metade da mancha florestal do concelho.

Além do autarca de Castelo de Paiva, no terreno está também o presidente da Câmara de Arouca.