Mais de 1.800 bombeiros combatiam esta segunda-feira à tarde, pelas 18:30, sete incêndios rurais, sendo o fogo que lavra no concelho de Oliveira de Frades, no distrito de Viseu, aquele que mobiliza mais meios de socorro.

De acordo com a informação disponível no ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) por esta hora estavam envolvidos no combate aos incêndios 1.870 operacionais, apoiados por 541 viaturas e 22 aeronaves.

Um fogo que deflagrou, pelas 11:24, numa zona de mato na localidade de Antelas, concelho de Oliveira de Frades, no distrito de Viseu, era aquele que mobilizava maiores meios, sendo as chamas combatidas por 327 bombeiros, apoiados por 103 viaturas e oito meios aéreos.

Um bombeiro morreu enquanto combatia este incêndio. O bombeiro, que estava desaparecido desde o início da tarde, era da corporação de Oliveira de Frades, acrescentou a mesma fonte.

No mesmo distrito, mas já em fase de resolução, um incêndio que deflagrou numa zona de mato na localidade de Cujó, concelho de Castro Daire, mobilizava àquela hora 212 operacionais, apoiados por 63 viaturas.

No distrito de Aveiro, um incêndio que deflagrou pelas 15:10 numa zona florestal no concelho de Albergaria-a-Velha mobilizava 233 bombeiros, 74 viaturas e cinco meios aéreos.

Mais a sul, no distrito de Leiria, continua a lavrar um incêndio que deflagrou no domingo na freguesia de Serro Ventoso, concelho de Porto de Mós, que estava às 18:30 a ser combatido por 173 operacionais, apoiados por 53 viaturas e um meio aéreo.

Cerca de uma centena de concelhos de 14 distritos de Portugal continental apresentam hoje risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O IPMA colocou em risco máximo de incêndio cerca de uma centena de concelhos dos distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Aveiro, Viseu, Coimbra, Leiria, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre e Faro.

O instituto colocou ainda em risco muito elevado e elevado de incêndio vários concelhos de todos os distritos (18) de Portugal continental.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo.

Os cálculos são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

No domingo, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) alertou para um aumento "muito grande" do risco de incêndio até às 23:59 de terça-feira em todo o continente português, em especial a norte do rio Tejo.

Em conferência de imprensa, a secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, declarou a situação de alerta para 14 distritos a norte do Tejo.

A medida abrange os distritos de Aveiro, Braga, Bragança, Portalegre, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria, Lisboa, Porto, Santarém, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu.

/ SS - atualizada às 19.35