«Os serviços que os americanos fornecem diretamente no apoio à operação serão mantidos e portanto, nesse aspeto, naquilo que tem a ver exclusivamente com o cumprimento da missão da Força Aérea na região autónoma [dos Açores], e sem ser na região autónoma, eu tenho neste momento razões para ter alguma tranquilidade», declarou.






«Essa é uma área mais política, a base aérea n.º4 tem uma missão, tem as pessoas e tem os meios para cumprir a sua missão, aquilo que me preocupou era que aquilo que na nossa missão depende da colaboração dos americanos pudesse ser afetado, as informações que tenho dão-me alguma segurança para pensar que não será assim e portanto no aspeto do cumprimento da missão estou relativamente descansado», disse.






Redação / CLC