O genro de Jerónimo de Sousa deixou de trabalhar para a Câmara de Loures.

Depois da investigação da TVI, a autarquia comunista contratou a um preço muito inferior uma empresa especializada, terminando assim um período de três anos e seis contratos sucessivos com Jorge Bernardino.

O genro do secretário geral do PCP ganhou 150 mil euros em apenas três anos, quase sempre por ajuste direto.

O novo contrato fica por menos cinco mil euros por mês.

Recorde-se que Jorge Bernardino chegou a ganhar valores acima do vencimento do próprio presidente do município. Um exemplo: só no último contrato, 11 mil euros por mês, para fazer a limpeza e manutenção de paragens de autocarros e ‘mupis’ de publicidade na zona de Loures. Num dos meses, recebeu esse valor, limitando-se a mudar oito lâmpadas e dois casquilhos.

O genro de Jerónimo de Sousa estava desempregado há três anos e, antes de trabalhar para a Câmara de Loures, tinha trabalhado num talho, numa florista e num supermercado.