Uma investigação da GNR a um grupo organizado para furtar bebidas alcoólicas em superfícies comerciais resultou em 12 pessoas indiciadas, 27 buscas domiciliárias e a apreensão de 1.147 garrafas e quatro armas, informou hoje aquela polícia.

Em comunicado de imprensa, a GNR refere que realizou 17 buscas domiciliárias e dez não domiciliárias (essencialmente em veículos), no sábado e que a investigação sobre “furtos qualificados e recetação” visava “um grupo organizado que se “dedicava a furtar bebidas alcoólicas em superfícies comerciais”.

A operação policial “culminou numa operação efetuada nos concelhos de “Felgueiras, Amarante, Celorico de Basto, Póvoa de Lanhoso, Guimarães e Lousada”, refere o comunicado.

Na ação da GNR foram identificados 12 indivíduos, dos quais quatro, com idades compreendidas entre os 30 e 60 anos, foram detidos, um por tráfico de estupefacientes (1.282 doses de heroína), um por posse de arma ilegal (caçadeira de canos serrados) e dois por furtos em estabelecimentos.

Os restantes estão indiciados pelo “crime de recetação, sendo na sua maioria proprietários dos estabelecimentos de restauração e bebidas”.

Durante a operação policial foram apreendidas “1.147 garrafas furtadas em hipermercados nos distritos do Porto e Braga”, bem como 32 mil cigarros contrafeitos, 1.282 doses individuais de heroína, quatro armas, 43 litros de aguardente e um automóvel.

Durante as buscas foram ainda apreendidos dois quilos de chumbo e um quilo de pólvora, para fabrico artesanal de cartuchos, bem como 165 munições, dez telemóveis, três computadores e cerca de mil euros em numerário.

Três dos detidos estão nas instalações da GNR e vão presentes nos tribunais de Póvoa de Lanhoso e Felgueiras, na próxima segunda-feira, dia 14 de maio.