A GNR apreendeu diversos objetos em marfim esta quarta-feira, no Porto. Numa operação levada a cabo em conjunto com a Europol e a Guardia Civil, os militares encontraram o material numa leiloeira que pertencia a uma mulher de 61 anos.

Os objetos estavam prontos para licitação, onde se calcula que pudessem render dezenas de milhares de euros. Com efeito, a GNR avaliou as peças em 40 mil euros.

A operação alertava para a criminalidade ambiental, e a GNR faz menção para crimes contra a vida selvagem. Esta ação efetuou-se no âmbito da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestre Ameaçadas de Extinção (CITES). Ao todo, 26 objetos foram apreendidos.

Segundo o comunicado da GNR, a detenção de objetos protegidos por CITES sem estarem devidamente registados, é considerada uma infração muito grave nos termos da legislação nacional que regulamenta a aplicação CITES, sendo que os infratores incorrem em coimas cujo valor mínimo é de 24 mil euros, em caso de negligência, e de 240 mil euros caso se venha a provar dolo, podendo ascender até meio milhão de euros.