Um total de 27 guardas provisórios que frequentam o 40.º curso de formação de guardas, em Portalegre, apresentaram, durante a noite e esta manhã, sintomas coincidentes com um quadro de gastroenterite, informou a GNR. Esta é a terceira situação de gastroenterite a afetar formandos da GNR. Trinta e um guardas provisórios foram afetados a 13 de novembro, depois do surto registado em outubro e que atingiu cerca de 200 formandos.

Em comunicado, a força de segurança refere que os guardas provisórios que apresentaram a sintomatologia "estão a ser avaliados clinicamente".

A situação está a ser acompanhada por uma equipa médica da GNR, em coordenação com a autoridade de saúde pública local.

Já em outubro, entre os dias 23 e 29, as aulas no Centro de Formação de Portalegre da GNR estiveram interrompidas devido a um surto de gastroenterite, que afetou cerca de 200 dos 600 formandos que frequentam o 40.º curso de formação de guardas.

Depois, no dia 13 de novembro, segundo a GNR, 31 guardas provisórios do mesmo centro de formação apresentaram sintomas idênticos, não se tendo registado casos de baixa médica.

Questionada pela Lusa, na altura, sobre a situação, a GNR informou que tinha reforçado as ações de sensibilização junto dos formandos, para a “adoção dos adequados” comportamentos de higiene individual, e as medidas preventivas de higienização, com a “limpeza contínua” das instalações e a “disponibilização de soluções alcoólicas” para desinfeção das mãos.

O 40.º curso do Centro de Formação da GNR foi notícia esta semana devido a agressões a instruendos que resultaram na exoneração do comandante do centro de formação de Portalegre. Cerca de dez formandos terão sofrido graves lesões e traumatismos durante o módulo “curso de bastão extensível”, que obrigaram em alguns casos a internamento hospitalar e a intervenções cirúrgicas.