No mês de abril, Portugal vai ter disponíveis 1,9 milhões de vacinas para serem administradas na população portuguesa. Por essa razão, o coordenador da Task Force disse que o plano de vacinação está “numa semana de transição” e de mudança de estratégia.

O objetivo principal passa a ser a "fluidez" e, com o elevado número de vacinas disponíveis, Gouveia e Melo admitiu juntar parte da fase 3 à fase 2 do plano de vacinação. 

Neste momento, estamos a considerar alterar a tipologia da fase 2, colapsando a fase 2 com a fase 3, uma vez que há disponibilidade de vacinas para fazer uma nova estratégia", disse o vice-almirante, no final da reunião com o Infarmed. 

Assim, explicou Gouveia e Melo, vai passar a ser feita "uma sequenciação etária pura", usando 90% das vacinas e os restantes 10% para doenças que não estão relacionadas com a idade "e que podem atingir populações muito mais jovens”

O objetivo é ter uma média de 97 mil vacinas por dia. 

Todas as pessoas com mais de 60 anos vacinadas até junho 

O coordenador da Task Force referiu que um dos principais objetivos é assegurar que todas as pessoas com mais de 60 anos estejam vacinas entre a última semana de maio e a primeira de junho.

Quando vacinarmos toda a população acima dos 60 anos, na realidade, estaremos – segundo os dados dos óbitos - a proteger 96,4% das pessoas que faleceram em resultado desta pandemia. Vamos atingir este valor entre a última semana de maio e a primeira de junho”, disse.

Henrique Gouveia e Melo reafirmou também a meta de proteção de 70% da população para meados do verão. “Atingiremos 70% da população, que equivale a termos todas as pessoas acima dos 30 anos vacinadas, entre julho e agosto, com a primeira dose”, explicou.

Por fim, salientou que “ninguém fica para trás” no processo de vacinação, destacando que, além do agendamento centralizado e do autoagendamento, uma pessoa poderá recorrer também à “junta de freguesia, esquadra da polícia ou aos bombeiros” como “passo intermédio” para o agendamento através da Internet.

Até ao momento, Portugal já recebeu 2,6 milhõres de vacinas contra a covid-19. 

Cláudia Évora