Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram hoje a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país.

O início desta operação foi assinalado na Covilhã, distrito de Castelo Branco, com a presença da secretária de Estado da Ação Social, Rita Mendes, que lembrou a importância da medida para evitar surtos nos estabelecimentos de ensino dedicados à infância.

Pese embora a taxa de vacinação que já temos no país, a verdade é que, nestas respostas sociais, tendo em conta também as particularidades das crianças e a sua dificuldade em aderir às medidas de prevenção, nunca é demais implementar medidas não farmacológicas que possam prevenir e conter a transmissão da covid-19”, disse Rita Mendes.

A governante destacou ainda que esta é uma forma de “tranquilizar quer os profissionais, quer as organizações onde são desenvolvidas as respostas para a infância, quer as famílias”.

Rita Mendes explicou ainda que, à semelhança do que foi feito no início do ano letivo nas escolas, esta testagem abrangerá “todos os profissionais das respostas das infâncias”, num total de 35 mil profissionais.

“O objetivo é detetar e isolar tão precocemente quanto possíveis situações positivas”, disse.

Questionada sobre se as ações se vão repetir ao longo do ano letivo, Rita Mendes explicou que tal será decidido “em função da evolução da situação epidemiológica e do estado vacinal verificado”.

Na operação de testagem estão a ser realizados testes antigénio, com resultados obtidos em cerca de 15 minutos, uma rapidez que contribuirá para uma ação mais célere em eventuais casos positivos.

Até ao final do dia está prevista a testagem de 1.350 profissionais no conjunto dos distritos da Guarda e Castelo Branco, sendo que 342 pessoas são da zona da Covilhã.

Paula Alves, funcionária no infantário Santa Casa da Misericórdia da Covilhã, foi uma das profissionais que foi testada esta manhã, assumindo a relevância desta ação para minimizar quaisquer riscos.

É sempre importante porque lidamos com muitas crianças e muitos pais e claro que é importante sermos testadas e sabermos se há algum risco”, disse.

Opinião semelhante tem Sónia Luís, que trabalha na creche do Centro Paroquial das Donas, no concelho do Fundão, e que já fez vários testes integrados em ações de testagem, considerando que os mesmos ajudam a que todos possam estar mais tranquilos.

Agência Lusa / AG