Manuela Ferreira Leite considera que o plano de desconfinamento anunciado esta quinta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, é menos “conta a gotas” do que o que tinha sido anunciado. A comentadora da TVI sublinha ainda a ausência de definição de assuntos importantes como a testagem ou a vacinação.

Sobre a abertura das creches e do ensino primário a comentadora afirmou compreender a decisão, uma vez que o período de confinamento tem sido particularmente difícil para os casais com crianças mais pequenas.

A antiga líder social democrata apontou ainda para o número de internados pela covid-19 nas Unidades de Cuidados Intensivos como sendo uma das principais preocupações do executivo e que, apesar de existir neste plano “uma preocupação económica", a “grande preocupação é o Serviço Nacional de Saúde”.

O vírus não conhece o que é público e o que é privado", relembrou a comentadora ao falar da testagem nas escolas. 

Do que está previsto neste plano, do ponto de vista económico, Manuela Ferreira Leite destaca os cabeleireiros e barbearias, que foram fustigados pelo confinamento. No entanto, a sua preocupação aponta para o turismo.

A atividade que mais tem sofrido com esta pandemia é o setor do turismo. É um mundo que muito contribuiu para que houvesse um crescimento significativo da economia antes da pandemia”, afirmou.

Manuela Ferreira Leite mostrou ainda algum ceticismo em relação ao verdadeiro impacto económico dos apoios extraordinários enviados por Bruxelas para cobrir todas as necessidades do país.