A adesão à greve dos enfermeiros que arrancou esta quarta-feira situa-se entre 90 a 95%, de acordo com dados do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), escreve a Lusa.

Enfermeiros em greve. Dizem que se sentem «humilhados

O presidente do SEP, José Carlos Martins, sublinhou que as unidades hospitalares de Anadia, Fundão e Montijo registam uma adesão de 100%.

A história de três enfermeiros com três realidades diferentes (vídeo)

Já no distrito de Lisboa a adesão mais elevada regista-se nos maiores hospitais, como o Hospital Curry Cabral, que tem uma adesão de 97%, o S. José, com 96%, e Maternidade Alfredo da Costa, com 95%.

No Hospital Amadora-Sintra a adesão à greve é de 85%, no Garcia d`Orta de 84% e na unidade de Cascais de 81%.

A nível nacional, o Hospital Distrital de Aveiro regista uma adesão de 96%, enquanto na unidade da Covilhã a adesão chegou aos 92%. Em Santiago do Cacém e Vila Franca de Xira a adesão é de 97% e Santarém de 88%.

Esta estimativa refere-se ao primeiro turno da manhã, no qual estão escalados cerca de 13 mil enfermeiros.

Os enfermeiros contestam a última proposta salarial do Ministério da Saúde, numa greve que se vai prolongar até sexta-feira.

Estes profissionais de saúde dizem sentir-se «humilhados» perante a proposta de ingresso na carreira a receber 995 euros, «abaixo dos actuais já injustos 1020 euros e muito longe dos 1200 euros de qualquer outro licenciado na Administração Pública».

Minmistério da Saúde admite adesão na ordem dos 77%

O Ministério da Saúde anunciou, entretanto, que a adesão à greve dos enfermeiros é na ordem dos 77%, valor diferente dos apontados pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, que se situam entre 90 e 95%.

«Até às 12:30 de hoje, a adesão à greve situava-se nos 76,79%», disse à Lusa uma fonte oficial do Ministério da Saúde.
Redação / PB