O serviço regular dos Transportes Coletivos do Barreiro (TCB) pode sofrer “perturbações significativas” na terça-feira de manhã, devido ao plenário de trabalhadores convocado pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional (STAL), anunciou a Câmara Municipal.

Na próxima terça-feira, dia 09 de novembro, por motivos alheios aos TCB, preveem-se que possam ocorrer perturbações significativas no regular funcionamento de carreiras, devido a um plenário de trabalhadores, entre as 09:30 e, previsivelmente, as 11:30”, informou a Câmara Municipal do Barreiro, no distrito de Setúbal.

De acordo com o município, “este plenário foi solicitado pelo STAL” e os utentes podem acompanhar o funcionamento em tempo real do serviço regular de transporte, através da aplicação TCB.

“Desde já lamentamos os eventuais transtornos que possam ocorrer”, acrescentou a Câmara Municipal do Barreiro.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador da direção regional de Setúbal do STAL, João Paulo Sousa, explicou que a realização deste plenário é “no âmbito da mobilização para a greve nacional de 12 de novembro, promovida pela Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, e também para a manifestação de 20 de novembro, convocada pela Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional (CGTP-IN)”.

João Paulo Sousa adiantou que vão também ser abordadas questões que preocupam os trabalhadores do TCB, inclusive o aumento dos salários e a valorização de carreiras, “mas este é um plenário de esclarecimento e de mobilização da importância desta greve na exigência de resposta aos problemas dos trabalhadores”.

Para o sindicalista do STAL, “há fortes razões para os trabalhadores manifestarem o seu repúdio perante a ausência de negociação por parte do Governo e perante uma ausência de respostas desta proposta reivindicativa comum de todos os trabalhadores da administração pública”.

O Sindicato Nacional dos Motoristas e Outros Trabalhadores (SNMOT), que promoveu a última greve dos trabalhadores dos TCB, não participa neste plenário, até porque não foi convidado.

“Cada sindicato tem os seus princípios e a sua autonomia de intervenção”, reforçou o coordenador da direção regional de Setúbal do STAL, desvalorizando a ausência do SNMOT no plenário.

Em 14 de outubro, os motoristas dos TCB realizaram uma greve de 24 horas a todos os serviços, promovida pelo SNMOT, devido à falta de entendimento com a autarquia, que gere o serviço, quanto à organização dos tempos de trabalho.

Essa greve teve uma adesão “na ordem dos 95%”, segundo o sindicato.

Na altura, o vice-presidente do SNMOT Manuel Oliveira disse à Lusa que o sindicato ainda não obteve resposta da empresa e adiantou que os trabalhadores não excluem endurecer as formas de luta.

Em causa estava a falta de entendimento com a Câmara Municipal do Barreiro quanto à organização dos tempos de trabalho.

Segundo o sindicalista Manuel Oliveira, é uma situação que opõe “a administração da empresa e os trabalhadores há já vários anos”.

“Tem a ver com a construção de horários e rendições, com a organização dos tempos de trabalho”, indicou o responsável, acrescentando que, ao longo dos últimos “seis/sete anos” o sindicato tem “vindo a fomentar com a administração um diálogo que pudesse dar origem a um acordo”.

De acordo com o vice-presidente do SNMOT, tal acordo ainda não foi conseguido pelos trabalhadores dos TCB, que pretendem um acordo igual ao conseguido com os motoristas do município de Coimbra.

Nós [Sindicato] conseguimos fazer um acordo com o município de Coimbra para os mesmos trabalhadores, ou seja, para a mesma categoria profissional de trabalhadores – assistentes operacionais agentes únicos”, referiu.

À semelhança do que acontece com os Transportes Coletivos de Coimbra, geridos pelo município de Coimbra, também os serviços municipalizados TCB são geridos pela Câmara Municipal do Barreiro.

/ BMA