O Tribunal de São João Novo, no Porto, condenou a 17 anos de prisão um homem por asfixiar até à morte outro que lhe pediu ajuda para se abastecer de drogas.

O homicida é um cidadão ucraniano e a vítima era um homem de nacionalidade brasileira, sendo que os factos ocorreram em 7 de dezembro de 2019, depois ambos se abastecerem de cocaína junto de um traficante na zona de Francos, no Porto, segundo as autoridades.

Em pena acessória, o homem foi condenado a extradição para o seu país após cumprir prisão.

O arguido, colocado em prisão preventiva à ordem do processo, apoderou-se de 800 euros que a vítima tinha em seu poder.

No início do julgamento, negou a prática de homicídio e admitiu apenas que roubou a carteira da vítima.

A versão do MP, que o tribunal veio a validar, foi outra: "Quando se dirigiram a um local escondido e pouco movimentado, supostamente com o objetivo de ambos consumirem aquele produto [droga], o arguido tentou retirar ao ofendido a carteira. Perante a resistência que aquele lhe ofereceu, atingiu-o com murros e pontapés em várias partes do corpo e asfixiou-o até à morte".

Na leitura do acórdão, o juiz presidente considerou que os factos da ausação "basicamente resultaram todos provados".

Disse que ofendido foi agredido "traiçoeiramente" e asfixado até a morte, com vista ao furto do seu dinheiro.

"A comunidade não tolera este tipo de comportamentos", observou o magistrado judicial.

/ MJC