O homem acusado de matar a companheira e esconder o corpo numa mala de viagem, em Arruda dos Vinhos, Lisboa, foi condenado a 20 anos e seis meses de prisão pelo Tribunal de Loures, esta sexta-feira.

O tribunal condenou o homem pela prática dos crimes de homicídio qualificado (19 anos), violência doméstica (dois anos e três meses) e profanação de cadáver (um ano e oito meses).

O crime ocorreu em outubro de 2019, em Arruda dos Vinhos, depois de a mala ter sido encontrada num terreno não muito longe do local onde a mulher foi assassinada.

Segundo a Polícia Judiciária, a vítima, de 30 anos, era "companheira do detido" e foi morta com "um golpe letal de arma branca", "desferido num quarto que ambos haviam arrendado, numa habitação em que, à altura dos factos, não se encontravam outras pessoas".

Na origem do homicídio estarão "questões de natureza passional", apurou, ainda, a PJ. 

De acordo com a investigação, depois de matar a mulher, "o homem colocou o corpo numa mala de viagem que previamente adquirira, a qual veio a abandonar num local relativamente próximo e preparou a sua saída da habitação, presumivelmente para se ausentar para o estrangeiro".

A Polícia Judiciária "recolheu e apreendeu relevante material de natureza probatória", que implicam "fortemente" o detido. 

O suspeito vai ser presente a primeiro interrogatório judicial, para aplicação das medidas de coação.

/ NM