O Ministério Público (MP) de Santa Maria da Feira, no distrito de Aveiro, deduziu acusação contra uma mãe acusada de ter matado os filhos gémeos recém-nascidos, informou esta terça-feira a Procuradoria-Geral Regional do Porto (PGRP).

Uma nota publicada na página da internet da PGRP refere que, por despacho proferido no dia 27 de março, foi deduzida acusação contra uma arguida imputando-lhe a prática de dois crimes de homicídio qualificado e dois crimes de profanação de cadáver.

De acordo com a investigação, a mulher terá entrado em trabalho de parto na casa onde vivia, tendo dado à luz duas crianças com vida, entre as 35 e as 36 semanas da gestação, às quais “não prestou, ou solicitou que fossem prestados, quaisquer cuidados imediatamente após o nascimento”.

Ao invés, segundo o MP, “na execução do que já antes tinha planeado, não estimulou o choro, não tentou desimpedir-lhes as vias aéreas, antes as embrulhou e impediu de respirar, acabando por causar as suas mortes”.

O MP considerou que foram recolhidos indícios suficientes de que a arguida, encontrando-se grávida sem o desejar, decidiu ocultar o seu estado e manter a gravidez sem qualquer acompanhamento médico”, refere a mesma nota.

Na mesma nota, a Procuradoria refere que a arguida colocou as duas crianças num saco, no interior da mala do automóvel que utilizava habitualmente, com o propósito de posteriormente as levar para outro local e se desfazer dos seus corpos, o que não veio a acontecer em virtude de terem sido encontradas por um terceiro que alertou as autoridades.

A 20 de janeiro de 2020, a PSP encontrou dois fetos sem vida, do sexo feminino, dentro de um carro numa rua de Espinho, no distrito de Aveiro.

Na altura, a Polícia identificou uma mulher de 25 anos, presumível gestante, que se encontrava internada em unidade hospitalar, tendo dado conhecimento deste caso ao Ministério Público e à Polícia Judiciária.

/ RL