O Tribunal de Vila Pouca de Aguiar decretou, esta terça-feira, a prisão preventiva para o agricultor de 38 anos suspeito de ter matado a mãe em Bragadas, no concelho de Ribeira e Pena.

Fonte judicial disse que o arguido está indiciado pelos crimes de homicídio qualificado e profanação de cadáver.

A mulher de 67 anos foi dada como desaparecida na quinta-feira, ao final da tarde, por um familiar, e nesse mesmo dia a GNR e os bombeiros de Ribeira de Pena iniciaram buscas.

No entanto, devido a um historial de violência doméstica, a GNR suspeitou de um crime e chamou a PJ, que assumiu a investigação do caso.

Hoje, em comunicado, a Unidade Local de Investigação Criminal de Vila Real anunciou que procedeu à identificação e detenção do homem pela presumível autoria dos crimes de homicídio e profanação de cadáver.

Os factos, segundo a PJ, ocorreram na quinta-feira, cerca das 18:30, na berma da Estrada Nacional 312, em Ribeira de Pena.

A Judiciária explicou que, “na sequência de uma discussão por motivo fútil, o suspeito terá agredido sua mãe, provocando-lhe a morte”.

Até ao momento não há indicações do corpo ter sido encontrado.

O detido foi presente a interrogatório judicial no Tribunal de Vila Pouca de Aguiar, que decidiu aplicar a medida de coação mais gravosa. À saída do tribunal, o suspeito levou a cabo uma tentativa de fuga, mas foi travado pelo agente da Polícia Judiciária que o acompanhava.