O suspeito de matar três jovens brasileiras que viviam em Portugal foi indiciado pela Polícia Federal do estado de Minais Gerais. Dinai Alves Gomes está indiciado por três homicídios qualificados, roubo, tripla ocultação de cadáveres e invasão de dispositivos informáticos, arriscando uma pena que pode ultrapassar os 100 anos de prisão.

A Polícia Federal informou, em comunicado, que concluiu o inquérito ao caso e que este será agora analisado por um juiz.

"Com a coleta de fartas e contundentes provas de autoria e materialidade, o indiciamento se deu pelos três homicídios triplamente qualificados, por roubo, por tripla ocultação de cadáveres, por invasão de dispositivos informáticos; cuja somatória de penas ultrapassa 100 anos”, lê-se na nota da polícia.

O caso remonta a agosto do ano passado, quando Michele Santana Ferreira, de 28 anos, a irmã, Lidiana Neves Santana, de 16, e Thayane Milla Mendes Dias, de 21, foram encontradas mortas. Os corpos foram descobertos num poço de um hotel para animais, em Tires, Cascais. As brasileiras estavam desaparecidas desde fevereiro.

Dinai Alves Gomes, o principal suspeito, regressou ao Brasil, a Belo Horizonte, logo após o desaparecimento das jovens.

O homem era namorado de Michele Santana, que estava grávida na altura dos crimes, e tinha trabalhado no hotel onde os cadáveres foram descobertos.

Poucos dias depois de os corpos terem sido encontrados, em Tires, em agosto, Dinai foi detido pela Polícia Federal de Minas Gerais. Na altura, o suspeito, que trabalhava no setor da construção, negou os crimes.

O brasileiro encontra-se desde então em prisão preventiva, em Minas Gerais. 

Redação / SS